É possível descobrir-se após os trinta

Siga nossas redes sociais

É possível descobrir-se após os trinta? Fazendo uma reflexão sobre mim mesma, resolvi falar sobre isso.

após os trinta

Dos dezoito aos vinte

Estava fazendo uma análise, com base na minha trajetória até aqui (trinta e um anos) e comecei a pensar em como nós sabemos pouco sobre o que queremos e o que faremos da vida aos vinte e poucos anos.

Quando completamos vinte anos, muitos acham que sabem de tudo e estão fazendo as escolhas certas para o resto da vida. Outros, não tem a mínima ideia do que estão fazendo e para onde vão.

Nos meus vinte, eu idealizava centenas de coisas, achava tudo possível, achava que aos trinta seria super rica, bem sucedida e com uns dois filhos.

A verdade é que acabei sucumbindo um pouco à pressão que a vida faz com a gente. E agora que comecei a sentir tudo começando de verdade para mim.

Nessa fase me vi tendo de fazer várias escolhas, como o curso superior, algo que me trouxe muitos questionamentos, pois eu não queria ser uma coisa só.

Queria ser historiadora por achar fascinante conhecer a história e entender o que acontece hoje, mas queria mudar o mundo e pensava que ser diplomata poderia ajudar, sempre fui o ombro das amigas, uma ótima conselheira e me interessava os assuntos relacionados à psicologia.

Sabia que seria uma boa psicóloga, afinal papai e mamãe eram psicólogos, estava nos “genes”. Ao mesmo tempo, todo mundo me dizia: -Você seria ótima na comunicação. Fala bem, é extrovertida e muito criativa! – Será mesmo?

A verdade é que a cabeça fundiu! Comecei em Relações Internacionais (lembra da Diplomata que queria mudar o mundo?) e finalizei em Relações Públicas (Sou a comunicativa).

A conclusão até aqui é que não, não estamos preparados para decidir o futuro nessa fase. A menos que você desde sempre tenha tido certeza absoluta do que queria. Mas acredito que vez ou outra se questionou.

Mas o bom da vida é que sempre poderemos mudar de ideia.

Seguindo o barco

Eu sempre tive certeza de uma coisa sobre a minha vida, eu queria fazer algo que amasse e fosse impactante. O dinheiro viria como consequência.

Por conta disso nem sempre fiz escolhas populares ou que as pessoas entendessem bem. Foi maravilhoso e ao mesmo tempo muito doloroso.

Enquanto muitos iam seguindo trabalhando e ganhando dinheiro, muitas vezes me vi na mais profunda incerteza. Mas sempre em busca daquilo que me preenchesse como ser humano e tivesse propósito. Sempre fui daquelas que acha que vale mesmo a jornada.

Quando a gente resolve ser assim, paga um preço e eu muitas vezes por não querer pagar tão caro, aceitei empregos que não me acrescentaram e não aguentei ficar muito tempo, justamente porque nem só de dinheiro se alimenta a alma.

Fui julgada como a menina que pedia demissão. Mas a verdade é que nunca deixei de trabalhar. Trabalhar não é só ter uma carteira assinada.

Toda experiência conta

Olhando para trás, vejo dezenas de experiências únicas e maravilhosas e todas vieram de erros e acertos na mesma proporção.

Sou uma sortuda, conheci pelo menos uma pessoa incrível por onde passei, aprendi de tudo um pouco, por querer ser de tudo um pouco também. Chorei e ri demais! Sinto saudade de muita gente e lugares!

Trabalhei com músicos, crianças, idosos, gente quadrada, gente descolada, boa e ruim. E é por isso que hoje sou resultado das minhas escolhas e experiências.

Errei pra “cacete”,  fiz pessoas sofrerem e muita gente me fez sofrer. Fui injusta e injustiçada. Tive que aprender a perdoar, esse é o paradoxo da vida. Uma roda girando, ora se está por cima ora se está por baixo.

E até agora concluí que fui e sou de tudo um pouco que queria ser lá atrás. Pude dar aulas de história, criei um coletivo para tentar causar algum impacto positivo no mundo, sou comunicóloga e agora também posso ajudar e ouvir as pessoas sendo coach.

Descobrir-se após os trinta é possível

Depois de toda essa reflexão, cheguei à conclusão de que sempre é possível começar e recomeçar, independente da idade.

Chegar aos trinta é dar-se conta de que não se é velha, mas também não se é mais tão jovem. A hora é agora! Ou vai, ou racha. E é aí que surgem algumas crises.

Mas espere! Chegamos até aqui certo! Com alguns arranhões e cicatrizes, mas muito mais fortes! Não é mesmo?

Sei que nessa fase bate alguns questionamentos sobre as escolhas que fizemos, mas o bom é que estamos mais experientes, senhores de nós mesmos, pois sabemos o que gostamos ou não.

É aí que começa a descobrir coisas incríveis aos trinta anos.

Nem tudo é o fim

Você descobre que nem tudo é o fim. Ter terminado aquele namoro por exemplo, foi importante, senão estaria onde e com quem está agora. E sim, você será capaz de amar novamente, inclusive a si mesmo.

Ter perdido aquele emprego, fez você se mover e hoje sabe muito mais do que antes. Saber que tipo de líder quer ter, quer ser e qual empresa comunga com seus valores. E sim, você vai conseguir coisa melhor.

Ter passado por tanto sofrimento, te fez se amar mais,  entender que tudo passa, saber quem quer que esteja em sua vida e não dá o privilégio do seu amor atenção à qualquer pessoa.

Você não é velha demais

Eu me imaginava velha e enrugada aos trinta, mas a verdade é que não sou não. Ainda tenho muita coisa pra viver, muita sede de transformações e planos.

Agora sim, sou mulher, me amo mais, sou mais segura e menos dramática.

Meu autoconhecimento aumentou consideravelmente e espero continuar evoluindo nesse aspecto.

No vídeo abaixo eu conto um pouco como foi o meu rito de passagem dos 29 para os 30 (2015):

Mudar de carreira aos trinta

Mudar de carreira aos trinta é possível e ao mesmo tempo um desafio imenso. Mas acontece com muitas pessoas e está acontecendo comigo por exemplo.

Eu me encontrei no coaching e é esse tipo de trabalho que quero continuar fazendo. Claro, gosto de comunicação também e quero conciliar as duas coisas.

A primeira coisa a fazer se estiver perdido, querendo encontrar um novo propósito no seu trabalho, é buscar uma orientação seja de um profissional Coach, mentor, psicólogo ou quem achar que pode te ajudar nesse processo.

Faça um planejamento, coloque prazos e metas para que ele se realize. Procure se capacitar para o novo mundo que deseja desbravar e tenha em mente sempre que é possível.

Estar capacitado e preparado para sua nova empreitada é fundamental. Faça cursos, MBAs, invista em conhecimento! Não se esqueça de pesquisar sobre o mercado também.

“Eu gosto do impossível porque lá a concorrência é menor.”

Walt Disney

Se em algum momento parecer difícil, procure algo que te mantenha motivado. Se é seu sonho, persista!

Este artigo te ajudou de alguma forma? Então deixe o seu comentário, aproveite para compartilhar em suas redes sociais também!

Até breve!

 

Siga nossas redes sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gostou do Blog? Compartilhe :)

Obrigada!

Erro

Carol Ornellas will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.

Inscreva-se em nossa newsletter para receber novidades!

You have successfully subscribed to the newsletter

There was an error while trying to send your request. Please try again.

Carol Ornellas will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.