Culpa e autocobrança: Como me prejudicam?

Siga nossas redes sociais

Culpa e autocobrança, o quanto você traz disso para sua vida? Ao nos culpar e cobrar demais, acabamos criando barreiras difíceis de transpor. Elas podem nos prejudicar bastante. Vamos falar sobre isso?

autocobrança e culpa

Culpa e autocobrança: O poder do deveria

Quando nos cobramos ou culpamos sempre aparece a palavra deveria, já percebeu?

Você sempre acha que deveria ter feito algo melhor, ou não deveria ter feito de tal forma, que deveria ter tomado certa atitude, enfim, deveria…

Começa a acreditar e ter certeza de que se tivesse feito da forma como deveria, tudo teria dado certo. Fica se martirizando, punindo e cobrando algo que nem sabe se é o certo. Pois, no fim das contas, como é que você pode saber, se tivesse feito diferente ou melhor o resultado seria outro?

Assumimos regras que criamos para nós mesmos e acabamos nos culpando por não cumprir todas elas e seus  “deveriam”. Atraindo muito sofrimento e ansiedade para nossas vidas.

Um exemplo de culpa e autocobrança muito recorrente, é quando se perde um ente querido. Muitas pessoas começam a ligar o botão do “deveria” com pensamentos de “Deveria ter passado mais tempo com ele” ou “Deveria ter dito que o amava” e até “Deveria ter feito algo que impedisse isso”. E então nasce a culpa.

“Deveria” não faz nada, não adianta. Recorrer à essa palavra só vai nos fazer sofrer. Não precisamos dar tanto poder à ela. Temos que começar a entender que existem coisas que acontecem e não estamos no controle o tempo todo.

Às vezes, fazemos coisas estúpidas, cometemos erros, mas tudo gera algo extremamente relevante, o aprendizado. E isso ninguém tira da gente.

Pegue o que aconteceu para fazer melhor da próxima vez e sendo melhor do que foi ontem.

Precisamos ter mais flexibilidade emocional

Quando nos colocamos tantas regras, acabamos gerando uma pressão enorme e que não permite erros.

Dar qualquer passo em falso pode se transformar numa tragédia. Nos tornamos pessoas rígidas emocionalmente, que não permitem um deslize mínimo e, ao invés de assumirmos a responsabilidade e seguir em frente, ficamos nos martirizando a cada passo falso.

Sendo tão rígidos, não conseguimos enxergar as lições que as situações desfavoráveis podem nos dar. Só conseguimos enxergar os pontos negativos e nos frustrar. Começamos a nos sentir fracassados, afetando profundamente nossa autoestima e autoconfiança.

Autocobrança que gera frustração

Vivemos num contexto tecnológico em que a informação e o excesso dela está disponível como nunca. Ficamos conectados quase que 24 horas por dia.

A pressão para saber mais, fazer mais, ser mais produtivo, gera uma uma pressão tão grande que quando não conseguimos nos superar e superar os outros ficamos extremamente frustrados.

Além de regras vamos criando tarefas e mais tarefas, como meio de “chegar lá” o quanto antes. Cada vez que não conseguimos realizar as coisas como desejamos, ficamos frustrados e acabamos atraindo outras emoções que podem nos prejudicar.

Como dar conta de tanta coisa e se manter saudável ao mesmo tempo? Difícil!

É preciso entender que não somos perfeitos, tão pouco precisamos ser o tempo todo.

A culpa vem da infância

A maioria de nós foi criado para não falhar, fomos acostumados a aprender desde sempre que se errarmos as pessoas não gostarão de quem somos.  Falhar não é permitido. Só seremos aceitos e amados e se fizermos tudo certo sempre.

Se não fizermos exatamente o que esperam de nós, seremos comparados. Como na escola, quando um coleguinha tirava uma nota maior do que a sua.

Coisas desse tipo, nos fazem acreditar que temos de ser perfeitos, pois se não formos seremos pessoas ruins e não amadas pelas outras.

É necessário que se desconstrua este conceito, pois não é preciso ser perfeito, nem acertar o tempo todo, muito menos ser amado por todos.

Nós não amamos todo mundo, perdoamos os erros alheios (alguns com maior dificuldade, mas é assunto para outro post) e não vivemos com pessoas perfeitas. No entanto, sobrevivemos, não é mesmo?

Ter metas realistas é preciso

Precisamos criar metas e planos realistas, ou seja, nos propor a fazer aquilo que realmente está ao nosso alcance. Sem desrespeitar nossos limites.

Nada de metas pesadas e que poderão virar frustrações no futuro. Nosso maior poder é o de escolha!

Temos o poder de tomar decisões, todos os dias! A melhor forma de combater a culpa e autocobrança é tomando boas decisões, hoje!

Precisamos decidir ser gentis conosco, nos respeitar, entender nossos limites e cuidar da saúde física e mental. Dessa forma seremos pessoas melhores para nós e para os outros também.

Seja compreensivo consigo mesmo, assuma a responsabilidade sobre o seus atos, leve o aprendizado na sua mente e  siga em frente.

Só temos o agora, estaremos sempre no presente.  Vamos viver com leveza!

Para espantar a culpa e autocobrança escute essa playlist que fiz especialmente para você!

Agora que você sabe que pode viver sem culpa e autocobrança, aproveite para compartilhar esse artigo com os amigos em suas redes sociais!

Até breve!

Siga nossas redes sociais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Gostou do Blog? Compartilhe :)

Inscreva-se em nossa newsletter para receber novidades!

You have successfully subscribed to the newsletter

There was an error while trying to send your request. Please try again.

Carol Ornellas will use the information you provide on this form to be in touch with you and to provide updates and marketing.